TV CÂMARA

Contador de Visitas

Visitas

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Países BRICS criam banco com US $ 100 bilhões para facilitar a aderência ocidental sobre as finanças globais

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul configurar piscina banco e moeda para pressionar por maior palavra a dizer na ordem financeira mundial 

MDG : Brics leaders at Brazil summit
Líderes Brics, a partir da esquerda: presidente da Rússia, Vladimir Putin, primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, presidente do Brasil, Dilma Rousseff, o presidente chinês, Xi Jinping eo presidente da África do Sul Jacob Zuma. Fotografia: Klimentyev Mikhail / Itass

Os líderes dos países emergentes Brics lançaram um US $ 100 bilhões (£ 58.3bn) banco de desenvolvimento e um fundo de reserva de emergência em seu primeiro grande passo no sentido de remodelar o sistema financeiro internacional ocidental dominada.

O grupo Brics é composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O banco, com vista a projectos de infra-estrutura de financiamento em países em desenvolvimento, será baseado em Xangai, e da Índia vai presidir as suas operações para os primeiros cinco anos, seguido por Brasil e Rússia, os líderes do grupo de cinco países anunciaram em uma cúpula. Eles também configurar um pool de reservas de moeda para ajudar os países em evitar pressões de liquidez de curto prazo.

O banco muito aguardada é a primeira grande conquista dos países BRICS, uma vez que se uniram em 2009 para pressionar por uma maior intervenção na ordem financeira global criado pelas potências ocidentais após a segunda guerra mundial, que gira em torno de o Fundo Monetário Internacional (FMI ) e do Banco Mundial.

Os Brics foram levados a buscar uma ação coordenada após um êxodo de capitais dos mercados emergentes no ano passado, desencadeada pela volta de escala de estímulo monetário dos EUA. O novo banco reflete a crescente influência dos Brics, que representam quase metade da população do mundo e cerca de um quinto da produção econômica global.

O banco vai começar com um capital subscrito de US $ 50 bilhões divididos igualmente entre seus cinco fundadores, com um total inicial de US $ 10 bilhões em dinheiro colocado em mais de sete anos, e US $ 40 bilhões em garantias. Ele está programado para começar a empréstimos em 2016 e estar aberto à participação de outros países, mas a quota de capital dos Brics não pode cair abaixo de 55%.

A piscina moeda contingência será realizada nas reservas de cada país Brics e pode ser transferido para um outro membro para amortecer balança de pagamentos dificuldades. Esta iniciativa ganhou força após o inverso nos fluxos de dólares baratos que alimentou um boom nos mercados emergentes por uma década.

"Isso vai ajudar a conter a volatilidade enfrentado por diversas economias, como resultado do declínio da política de expansão monetária dos Estados Unidos", disse o presidente brasileiro, Dilma Rousseff. "É um sinal dos tempos, que exigem a reforma do FMI."

China, detentor das maiores reservas cambiais do mundo, contribuirá com a maior parte do fundo comum de moedas de contingência, ou US $ 41 bilhões. Brasil, Índia e Rússia contribuirá com US $ 18 bilhões cada e África do Sul US $ 5 bilhões. Se surge uma necessidade, a China vai ser elegível para pedir metade da sua contribuição, a África do Sul para o casal e os restantes países a quantidade que colocar dentro

As negociações sobre a sede e primeira presidência foram alcançados às 11 horas, devido às diferenças entre a Índia ea China. O impasse reflete a dificuldade Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul tiveram em conciliar as diferenças econômicas e políticas rígidas que tornou difícil para o grupo a transformar a retórica em ação. "Nós puxou-lo 10 minutos antes do final do jogo. Chegamos a um pacote equilibrado que seja satisfatório para todos", disse um diplomata brasileiro, que pediu para não ser identificado.

As negociações para a criação do banco se arrastou por mais de dois anos, como o Brasil ea Índia lutou tentativas da China para obter uma fatia maior no credor do que os outros. Brasil e Índia prevaleceu em manter igual a equidade em seu lançamento, mas os temores persistem que a China, segunda maior economia do mundo, poderia tentar fazer valer uma maior influência sobre o banco a expandir a sua influência política no exterior. China, no entanto, não vai presidir o banco por duas décadas.

A ONG ActionAid International disse que enquanto ele estava satisfeito que os planos para o novo banco de desenvolvimento foram a ganhar ritmo, mais precisa ser feito para garantir que era inclusive. "Ainda há indicações claras de como as outras partes interessadas, incluindo a sociedade civil, pode ter entrada nas políticas do banco", disse o coordenador de defesa, Sameer Dossani. "Isso é fundamental para evitar os erros do Banco Mundial e de outros no passado."
Fonte: http://www.theguardian.com/

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More